terça-feira, 22 de março de 2016

Taques se mantém otimista e prevê conclusão da internacionalização do aeroporto Marechal Rondon a tempo da FIT



Taques se mantém otimista e prevê conclusão da internacionalização do aeroporto a tempo da FIT
 
 
O governador Pedro Taques (PSDB) se mantém otimista em relação à conclusão das obras de internacionalização do aeroporto Marechal Cândido Rondon, em Várzea Grande, a tempo para receber os visitantes da Feira Internacional do Turismo (FIT) do Pantanal, que vai acontecer entre 20 e 24 de abril, em Cuiabá.
“A última informação que eu tive é a de que ficará pronto para a FIT o terminal internacional, inclusive com a internacionalização. Não a parte administrativa. O que nos interessa é o terminal para que isso possa ser inaugurado e recebermos os turistas estrangeiros”, afirmou o governador, em entrevista ao Olhar Direto.

O governador quer o aeroporto pronto porque a FIT tem o objetivo de promover e incentivar a comercialização com a divulgação do destino Mato Grosso. Seria vantajoso ter um aeroporto internacionalmente funcionando para sucesso no propósito de se inserir no calendário internacional de turismo de negócios, de projetar novos roteiros no Estado, fomentar operadores nacionais e internacionais, principalmente da América do Sul e consolidar a feira como espaço comercial de produtos e serviços turísticos da região central do Brasil e da América do Sul.

A obra, que era deveria ter ficado pronta para a Copa do Mundo de 2014, sofreu vários atrasos e possuía vários problemas na contratação – falta de certidões para andamento do contrato, sem certidões para recebimento de medições. Por isso, o contrato com a empreiteira Engeglobal, a responsável pela obra, esteve na mira para ser rescindida de forma unilateral.

Se isso tivesse acontecido, não haveria tempo suficiente para concluir as obras para a FIT, devido a demora no processo de rescisão e de contratação de uma nova empresa para tocar a obra. A intenção do Governo é iniciar os voos internacionais na primeira quinzena de abril, antes do início da Feira.

De acordo com Pedro Taques, entre 80 e 100 pessoas trabalham na obra. O problema com o ar-condicionado no setor de embarque já foi solucionado, bem como a sede da receita federal e a internacionalização já estão sendo colocadas.

A AmasZonas Lineas Areas já tem interesse em retomar a rota entre Cuiabá e Santa Cruz de La Sierra. O voo entre Cuiabá e Santa Cruz de La Sierra (Bolívia) começou a ser operado em junho de 2014, dias antes da Copa do Mundo. Com viagens três vezes por semana, a ocupação era de aproximadamente 80%.

Obra

Ao todo, a obra que teve início em dezembro de 2012 tem um custo estimado de quase R$ 84 milhões. Até o momento, R$ 60,7 milhões já foram pagos ao Consórcio Marechal Rondon, formado pelas empresas Engeglobal Construções, Farol Empreendimentos e Participações e Multimetal Engenharia de Estruturas. De acordo com a assessoria de imprensa da Secid, além de ampliar a qualidade do espaço, a conclusão da obra será revertida em melhorias econômicas para o Estado.

Conforme o contrato 065/2012, além da construção do terminal de passageiros, fazem parte da obra a instalação de pontes de embarque, reforma e adequação de vias de serviço, nova sinalização horizontal do pátio de aeronaves, assim como a reforma, adequação e ampliação do sistema rodoviário interno do aeroporto. Também está prevista a construção da Central de Utilidades, de nova área de equipamentos de rampa, ampliação dos sistemas de infraestrutura básica e ainda a construção do estacionamento do novo prédio administrativo da Infraero.
 
Ponto estratégico

O ex-ministro da Aviação Civil (SAC), Eliseu Padilha, disse que por sua posição geograficamente estratégica, o Aeroporto Internacional Marechal Rondon, na região metropolitana de Cuiabá, será adequado para recebimento de voos internacionais, especialmente para países da América Latina. Localizado no centro da América do Sul o ponto deverá se tornar um terminal aeroportuário de ‘hub’ (centro de conexão) para atender o mercado de passageiros do Mercosul.
 
Fonte: Jardel P. Arruda - Olhar Direito

0 comentários: